To determine the serological prevalence of dogs analyzed between the years 2013-2016 in the city of Cuité-PB

Alves T. W. B. 1, Pontes E. D. S. 2, Barbosa V. S. A. 3
1Estudante do Curso de Farmácia do Centro de Educação e Saúde (CES), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG);  2Estudante do Curso de Nutrição do CES – UFCG, 3Docente/Pesquisadora da Unidade Acadêmica da Saúde – UAS, CES, UFCG

Abstract:

American Visceral Leishmaniasis is an infectious disease caused by Leishmania (Leishmania) infantum chagasi and transmitted in the New World through the insect vector sandfly of the genus Lutzomyia. In Brazil the disease is zoonotic affecting humans and many mammals, with dogs incriminated as the main parasite reservoir in urban areas. To determine the serological prevalence of dogs analyzed between the years 2013-2016 in the city of Cuité-PB. A retrospective documentary research has been done, using secondary data of the results of serological tests for visceral leishmaniasis performed in dogs in the city of Cuité-PB, between the years 2013 to 2016. Were analyzed serologic survey records through Quick Test Immunochromatographic for Canine Visceral Leishmaniasis and the Enzyme Immunoassay Method. We analyzed 92 dogs between the years 2013-2015. The prevalence of dogs with positive serology for the immunochromatographic quick test was 9.8 % and the enzyme immunoassay method was 4.3 %. In the year 2016 it was not conducted serological survey for Canine Visceral Leishmaniasis. It is suggested to serological tests in subsequent years and improve the reporting of cases of Canine Visceral Leishmaniasis.

Keywords:

Doenças do cão; Estudos soroepidemiológicos; Leishmaniose Visceral

Click to download Free PDF

References:

1. SHAW JJ. Further thoughts on the use of the name Leishmania (Leishmania) infantum chagasi for the aetiological agent of American visceral leishmaniasis. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v.101, n.5, p.577-579, 2006.
2. FARIA AR, ANDRADE HM. Diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina: grandes avanços tecnológicos e baixa aplicação prática. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v.3, n.2, p.47-57, 2012.
3. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância, prevenção e controle de zoonoses: normas técnicas e operacionais. Brasília: Ministério da Saúde, p. 121, 2016.
4. MENESES GNIDS et al. Ocorrência de Leishmania infantum em fezes de cão. Arquivos Brasileiros de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.67, n.5, p.1249-1253, 2015.
5. WORLD HEALTH ORGANITION – WHO. Leishmaniasis. 2016. Disponível em: https://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs375/en/. Acessado em 15/05/2016.
6. CAVALCANTE CJM, VALE MR. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (calazar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.17, n.4, p. 911-924, 2014.
7. BRASIL. Ministério da Saúde. Casos confirmados de Leishmaniose Visceral, Brasil, Grandes Regiões e Unidades Federadas. 1990 a 2014. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.
8. BRASIL. Ministério da Saúde. Coeficiente de incidência de Leishmaniose Visceral, por 100.000 habitantes. Brasil, Grandes Regiões e Unidades Federadas. 1990 a 2014. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.
9. SILVA SS. Patologia e patogênese da Leishmaniose Visceral canina. Revista Tropica-Ciências Agrárias e Biológicas, v.1, n1, p.20-31, 2007.
10. ALMEIDA ABPF et al. Inquérito soroepidemiológico de leishmaniose canina em áreas endêmicas de Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.42, n. 2, p.156-159, 2009.
11. SEIXAS MM et al. Positividade para Leishmaniose Visceral Canina: existem fatores caninos que contribuem? Revista Baiana de Saúde Pública, v.36, n.2, p. 358-367, 2012.
12. ESTADO DE SANTA CATARINA. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Guia de orientação para vigilância de leishmaniose visceral canina (LVC), 2015. Disponível em: <https://www.dive.sc.gov.br/conteudos/zoonoses/…/Guia_Basico_de_Orientacao_L VC_2015>. Acessado em 09/10/2016.
13. JULIÃO FS et al. Investigação de áreas de risco como metodologia complementar ao controle da Leishmaniose Visceral Canina. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 27, p.319-324, 2007.
14. BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica. Paraíba, Cuité. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=250510>. Acessado em 09/10/2016.
15. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INPE. Centro de Previsão e Estudos Climáticos, 2013. Disponível em: https://www.cptec.inpe.br/. Acesso em 14.03.2014
16. ESTADO DA PARAÍBA. Agencia Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba, 2013. Disponível em: <https://site2.aesa.pb.gov.br>. Acesso em: 23.02.2014.
17. ESTADO DA PARAÍBA. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável, 2010. Disponível em: <https://www.saude.pb.gov.br/site/PDR08.pdf>. Acesso em 23.02.2014.
18. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Solos do Nordeste. Recife. Embrapa, 1972. Disponível em: < https://www.uep.cnps.embrapa.br/solos/index.php?link=pb > Acesso em: 13 de set. 2014.
19. FERNANDES ARF et al. Risk factors associated with seropositivity for Leishmania spp. and Trypanosoma cruzi in dogs in the state of Paraiba, Brazil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, v.25, n.1, p.90-98, 2016.
20. MATOS MM et al. Ocorrência da Leishmaniose Visceral em cães em Mossoró, Rio Grande do Norte. Ciência Animal, v.16, n.1, p.51-54, 2006.
21. BARBOSA DS et al. Soroprevalência e variáveis epidemiológicas associadas à leishmaniose visceral canina em área endêmica no município de São Luís, Maranhão, Brasil. Ciência Animal Brasileira, v.11, n.3, p.653-659, 2010.
22. SILVA FTS et al. Aspectos Clínicos da Leishmaniose Visceral Canina no Distrito de Monte Gordo, Camaçari (Ba). Revista Baiana de Saúde Pública, v.34, n.4, p. 783-795, 2010.
23. OLIVEIRA LCP et al. Seroprevalence and risk factors for Canine Visceral Leishmaniasis in the endemic area of Dias D’Ávila, State of Bahia, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.43, n.4, p.400-404, 2010.
24. ALMEIDA ABPF et al. F. Prevalência e epidemiologia da leishmaniose visceral em cães e humanos, na cidade de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Ciência Rural, v.40, n.7, p.1610-1615, 2010.
25. MENEZES LFN et al. Prevalência e distribuição espacial da leishmaniose visceral em cães do município de Juatuba, Minas Gerais, Brasil. Ciência Rural, v.44, n.2, p.352-357, 2014.
26. PIMENTEL DS et al. Prevalence of zoonotic visceral leishmaniasis in dogs in an endemic area of Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 48, n.4, p.491-493, 2015.
27. ZUBEN APBV, DONALÍSIO MR. Dificuldades na execução das diretrizes do Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral em grandes municípios brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, v.32, n.6, 2016.