Article of Open Journal of Epidemiology and Public Health 

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NO CONTROLE DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

Paiva L.M.B.1; Oliveira A.F.S.2; Alves D.M.3; Costa S.S.4
1,2,3Estudante do Curso de Enfermagem. IBGM.. 4Mestre em Enfermagem pela Universidade de Pernambuco – UPE.

Abstract:
A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença transmitida do vetor conhecidos como flebotomíneos para o hospedeiro, através da picada da fêmea, onde o homem é acometido de forma acidental e os animais domésticos de forma secundária ao ciclo do parasita, causando várias manifestações clínicas, dentre elas lesões de forma única ou múltiplas, progredindo para pápulo-pustosa, depois úlcero-crostosa e chegando à fase com bordas indolores e fundas com granulações grosseiras, bordas infiltradas e características de úlcera com contornos circulares. Descrever as medidas da vigilância epidemiológica no controle da Leishmaniose Tegumentar Americana. Pesquisa bibliográfica, realizada outubro de 2016, através do guia de vigilância em saúde, guia de orientações sobre vigilância de Leishmaniose Tegumentar Americana e artigos científicos pesquisados na base de dados LILACS. Para a pesquisa foi utilizado o seguinte descritor “Leishmaniose Tegumentar Americana”. Foram incluídos artigos entre os anos 2009 e 2016. Sendo selecionados 4 e utilizados 2, por se encaixarem no tema proposto. A Leishmaniose Tegumentar Americana é apresentada como endemia em 24 países, tornando-se um agravo de relevância para a saúde pública mundial. A organização das nações unidas a considera como uma das 6 infecções mais importantes do mundo, por ter altas taxas de incidência e prevalência, além de gerar graves danos à saúde do indivíduo. Ao analisar as características epidemiológicas da LTA no Brasil, observa-se uma média anual de 26.965 casos autóctones registrados entre 1993 à 2012 ou seja, 15,7 casos/ 100.000 habitantes. Os serviços de saúde deverão notificar e investigar por meio da ficha do SINAN o evento da doença. O seu registro é importante para o conhecimento, investigação, bem como para a classificação epidemiológica e acompanhamento dos casos. Cabe a vigilância epidemiológica do município a responsabilidade de encaminhar os casos suspeitos ao serviço de saúde de referência para diagnosticar, investigar os casos confirmados e digitar a ficha de notificação e investigação do SINAN, acompanhar o tratamento do doente até sua alta e dar encerramento do caso no SINAN após 180 dias do início do tratamento. Já outros órgãos como gerência de zoonoses, diretorias e gerências de vigilância epidemiológica além da SES prestarão assessorias aos municípios através de medidas de controle da LTA bem como sua adaptação frente a cada realidade. Neste contexto pode-se observar a relevância do papel do enfermeiro nos vários níveis de tratamento da LTA, sendo de extrema importância o vínculo criado por este profissional com os pacientes e familiares, visto que através de uma assistência humanizada, o enfermeiro juntamente com a equipe multidisciplinar pode propiciar ao portador da LTA o tratamento adequado com redução de possíveis sequelas e desenvolvimento de ações direcionadas para a prevenção de novos casos nas comunidades de risco.

Keywords:
Leishmaniose Cutânea; Saúde Pública; Vigilância Epidemiológica.

Click to download Free PDF