Article of International Journal of Disease Control and Prevention 

EXPERIÊNCIAS DE UM GRUPO DE APOIO PARA O AUTOCUIDADO EM HANSENÍASE DE UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RECIFE

Martins T.L1; Andrade J.L.S.2, Silva J.M3, Oliveira J.D.C.P4, Nascimento R.D5, Santos D.C.M6
1,2,3Estudantes do Curso de Enfermagem – Faculdade Nossa Senhora das Graças/UPE;,4Enfermeira - Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças/UPE 5,6Docentes do Curso de Enfermagem – Faculdade Nossa Senhora das Graças/UPE.

Abstract:
A Hanseníase é uma doença que pode ocasionar deformidades e incapacidades físicas irreversíveis, gerando um impacto físico, psíquico e sociocultural. Por isso é fundamental a organização e formação de Grupos de Autocuidados (GACs) para humanização do cuidado e da integração entre a rede de saúde e os usuários. Os GACs visam a prevenção dos avanços de incapacidades já instaladas e de futuras incapacidades e deformidades. Eles visam ainda, a estimulação da formação da consciência de riscos para a integridade física, a própria mudança de atitudes para a realização do autocuidado, a troca de experiências entre participantes e o fortalecimento da autonomia biopsicossocial, melhorando assim a qualidade de vida dos participantes. Nesse contexto, a Universidade de Pernambuco (UPE), por meio da extensão universitária, vem atuando em parceria com o Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (MORHAN), a Netherlands Hanseniasis Relief (NHR) e a Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) na implantação de grupos de autocuidado em hanseníase. Relatar o processo de implantação de um grupo de autocuidado em Hanseníase em uma Policlínica de Recife-PE. Trata-se de um relato de experiência vivenciado por discentes da UPE/extensionistas do Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Cuidado, Práticas Sociais e Direito à Saúde das Populações Vulneráveis (GRUPEV). A coordenação do grupo da policlínica, foi sensibilizada e capacitada em março de 2016. Após a implementação do GAC na policlínica, as reuniões aconteceram mensalmente com temas acerca da hanseníase e sobre a prevenção de incapacidades propriamente dita: autocuidado com as mãos, com a face e com os pés. Foram elaborados pelos extensionistas do GRUPEV três fôlderes cada um sobre um tipo de autocuidado, face, mãos e pés, trazendo a descrição e ilustração dos principais exercícios do Manual do Ministério da Saúde, Autocuidado em Hanseníase: Face, Mãos e Pés. Os extensionistas do GRUPEV atuam nos GACs com a função de monitoramento, aplicando as escalas: Screening of Activity Limitation and Safety Awareness (SALSA) que mede a limitação de atividades e consciência de risco, Participação Social que mede a restrição de participação social e a World Health Organization Quality of Life (WHOQOL-bref) para avaliar a qualidade de vida. Até o presente momento foram realizadas três reuniões, contando com a participação média de 8 pacientes, onde houve aplicação das escalas em 6 participantes do GAC. Diante do exposto, percebe-se a necessidade das ações educativas através dos GACs, devido a aquisição de conhecimento sobre práticas de autocuidado e consequentemente a diminuição de incapacidades e melhora da qualidade de vida dos participantes envolvidos. Sendo assim, o envolvimento dos acadêmicos em ações como esta de inserção no cenário de prática, viabilizam a extensão como um projeto impulsionador para a formação do caráter humanizado e integralizado de atendimento.

Keywords:
Health Education; Leprosy; Self Care

Click to download Free PDF