Article of International Journal of Disease Control and Prevention 

PANORAMA DO TRACOMA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

Silva T.C.F1, Silva J.N2, Alves F.A.P3, Souto R.Q4
1,2 Estudante do Curso de Enfermagem - UFPE 3,4Docentes do Departamento de Enfermagem – UFPE

Abstract:
O tracoma é uma ceratoconjuntivite bacteriana crônica causada pela Chlamydia trachomatis, sendo a principal causa de cegueira prevenível. Atinge principalmente populações sob risco social, com baixas condições de vida. A presença de crianças com formas de infecção ativa, constitui fonte de infecção e possibilita a manutenção da cadeia de transmissão do tracoma. Como estratégias para o controle, a Organização Mundial da Saúde recomenda tratamento com antibióticos, educação em saúde e ampliação de acesso a água e saneamento. A falta de informação sobre a doença é uma realidade mundial, uma vez que essas estão disponíveis, em apenas 22 países dos 56 classificados como endêmicos. Analisar o panorama do tracoma no estado de Pernambuco, com base em dados de inquéritos de 2006 e 2012. Estudo ecológico descritivo, utilizaram-se dados secundários coletados a partir do inquérito nacional escolar do tracoma, realizada pelo Ministério da Saúde em 2006 e do inquérito conduzido pelo Programa SANAR nos anos de 2011/2012. No inquérito nacional escolar do tracoma, observa-se que dos 79 municípios investigados, a maioria estariam em situação de risco para o tracoma, e, portanto, necessitando de intervenções que busquem a diminuição das prevalências. Desse inquérito, foram escolhidos 22 municípios considerados prioritários para o controle da doença pelo programa SANAR em 2011 e 2012, no entanto, ao analisar os intervalos de confiança para as prevalências desses 79 municípios, observa-se que outros 43 apresentavam probabilidade de ter prevalência maior que 5 % e não foram incluídos como prioritários. A não inclusão destes na agenda de ações para o enfrentamento do tracoma pode estar contribuindo para a manutenção de transmissão da doença no estado. Quanto a ocorrência de tracoma, verifica-se associações significativas entre sexo e turma, apresentando maiores chances para o tracoma: escolares do sexo feminino (38 %), alunos que estudam no ensino fundamental 1 (97 %) e pré-escolar (70 %). Considerando as diferentes características das zonas rural e urbana dos municípios avaliados, em relação as prevalências de tracoma, apenas em 5 municípios dos 22 avaliados foram encontradas diferenças estatisticamente significantes entre essas duas áreas. São necessárias investigações de base populacional acerca do tracoma a fim de eleger, com bases técnicas adequadas, municípios a serem incluídos numa agenda de prioridades, para que assim se conheça a real situação da doença. Além disso, as ações das estratégias preconizadas por si só não irão eliminar a doença se as condições de vida e práticas de saúde não melhorarem.

Keywords:
Inquéritos Epidemiológicos; Pré-Escolar; Tracoma

Click to download Free PDF