Article of Global Journal of Public Administration 

TUBERCULOSE NAS PRISÕES: DESAFIOS DO CONTROLE E PREVENÇÃO À LUZ DA LITERATURA

Santos W. P.¹; Freitas F. B. D.²; Pacheco A. E. ³; Lacerda E. D.4; Lima G. M. B. 5
1,2,3,4 Estudantes do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande, Campus Cuité, PB – UFCG, 5 Docente Adjunta I do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande, Campus Cuité-PB - UFCG

Abstract:
A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que prioritariamente afeta os pulmões. Existe cura com o tratamento adequado, no entanto, a ausência deste pode levar o enfermo a morte. Sua transmissão ocorre de forma direta de pessoa para pessoa, por gotículas de salivas contaminadas, ao falar, ao tossir ou espirrar, sendo a aglomeração de pessoas o principal fator de transmissão, o que a torna comum em ambientes como o sistema carcerário, em especial, diante dos quadros de superlotação presentes nesses cenários. Esse estudo teve por objetivo conhecer e analisar os desafios do controle e prevenção da tuberculose nas prisões brasileiras à luz da literatura. Trata-se de uma revisão integrativa, na qual é realizado um levantamento de estudos organizado e ordenado na Biblioteca Virtual de Saúde, indexados nas seguintes bases de dados: MEDLINE, LILACS e BDENF. Os descritores foram devidamente consultados nos Descritores em Ciência e Saúde (DeCS) e utilizados os termos: tuberculose, controle, prisões e epidemiologia. O cruzamento dos termos foi realizado atráves do operador boleano “AND”, para se obter a amostra final realizou-se o pareamento simultâneo de todos os descritores. Como critérios de inclusão foi utilizado o recorte temporal de 2005 à 2015, nas bases de dados supracitadas e nos vernáculos: Espanhol, Inglês e Português. Foram excluídos aqueles que se apresentavam indisponíveis para leitura, incompletos, downloads mediante pagamento e que não mantiveram relação com a temática central. Desta forma, a amostra resultou em cinco artigos. A tuberculose tem como fator principal de contaminação a aglomeração de pessoas no mesmo local, o que facilita a disseminação da Mycobacterium tuberculosis, dessa maneira foi necessário a intervenção com o plano de controle que consiste na implementação da atenção dentro das prisões, no sentido de realizar busca ativa, educação em saúde com os detentos, familiares e comunidade, realizar rastreamento, diagnóstico precoce, tratamento e acompanhamento caso haja a libertação. Entretanto pesquisas recentes revelam que o Plano de Controle da Tuberculose ainda não foi implementado em sua totalidade. Características como falta de ventilação e iluminação, dificuldade de acesso a unidade de saúde, desmotivação e falta dos profissionais habilitados, transporte inadequado dos detentos e até mesmo precarização do fluxo de informações entre ambiente interno e externo, são fatores contribuidores para a falta de controle e prevenção da tuberculose nas prisões. Pode-se concluir com este estudo que é necessário o controle da Tuberculose nas Prisões, sobretudo, com a melhor aplicação do Plano de Controle. É preciso haver uma maior atenção à saúde prisional, reforma ambiental, controle da superlotação e qualificação dos profissionais que irão prestar cuidados ao sistema carcerário para que o objetivo de controle e prevenção da tuberculose nas prisões brasileiras seja alcançado.

Keywords:
Controle; Epidemiologia; Prisões; Tuberculose

Click to download Free PDF