Open Journal of Epidemiology and Public Health

Open Access Journal
Open Journal of Epidemiology and Public Health (ISSN:2641-3299) is an open access journal publishing research articles, review articles, editorials and letters to the editor.

Peer-Review Journal
To keep the quality of journal, all submission will be peer-reviewed by invited experts. The decisions will be made according to the comments of reviewers.

Publication Process
Initial decision: 3 days without review, 28 days with review; Time to publication: Accepted articles will be online in 3 days; Final versions after proofreading will be accessible in 8 days.

Rapid Response
Should you have any questions, please let us know. We will answer you shortly.

RHEUMATIC FEVER – A PUBLIC HEALTH PROBLEM

Monteiro J.P. A.1; Lemos N. D.C.B.2; Neto M. A. S.3; Anjos F. B. R.4.
Rheumatic fever continues to be a major health hazard in most developing countries as well as sporadically in developed economies, accounting for up to 250 000 premature deaths every year and being regarded as a physical manifestation of poverty and social inequality. To enlighten the epidemiology, physiopathology and clinical symptoms of the disease, describe the current available diagnostic tests and therapies and show the impact of the rheumatic fever to the brazilian public healthcare system. This systematic literature review was built from a bibliography research of scientific papers, publications and materials available on the Internet in English and Portuguese. From this research, five essential themes were identified: epidemiology, physiopathology, clinical manifestations, diagnostic and therapeutic approaches. In the end, it was possible to notice the undeniable need to define a better control and treatment strategy, in order to reduce the social and economical impairments and mortality.

VISCERAL LEISHMANIASIS: EPIDEMIOLOGY AND HEALTH EDUCATION

Couto, I.M.C1; Bento, M.V.B.NS2; Lemos, F.S3; Fernandes, G.A.S4; Silva, M.G.S5; Maia, C.S6.
In Brasil Visceral Leishmaniasis is caused by the protozoan Leishmania chagasi and the country presents almost the whole of South American cases.The main reservoir is domestic dogs and one form to control it is euthanasia thereof. However, this method has been show to be ineffective. To analyze epidemiological data on Visceral Leishmaniasis in the brazilian population and the possible health education actions to combat the vector and mode of transmission. Were found 125 articles, manuals attention to heath and epidemiological reports published in the years 2004 to 2016, that addressed clinical and epidemiological aspects of Visceral leishmaniasis, prevention and health education, 14 articles of which were used to write this review. Visceral Leshmaniasis is related to low socioecomomic conditions, destruction of the naturals habitats, as well as the adaptive capacity of the vector. The method of euthanasia is shown ineffective, because in this review show that more than 50 % of the infected dogs are asymptomatic and restituted in the street, contributing to maintaing and/or increasing the number of humans cases. It's necessary takes strong campaigns in health education, highlighting preventive strategies with the use os mosquito nets, repellents and resposible ownership os animals.

INTERVENÇÃO MULTIPROFISSIONAL EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE: COMBATENDO A HELMINTÍASE

Oishi A.P.B1; Silva A.M.L.2; Lins D.N.S.3; Silva I.F.4; Souza L.A.P.5; Lima T.L.6.
As ações foram planejadas com base nas diretrizes do Programa Saúde na Escola (PSE), buscando diminuir a incidência da helmintíase em crianças na faixa etária de 5 a 12 anos. A atuação multiprofissional foi importante no processo de planejamento, execução e educação em saúde. Favorecendo a troca de experiências e saberes com enfoque preventivo na atenção do individuo em seu contexto. Combater e controlar a helmintíase na infância, buscando atingir melhores indicadores de saúde e qualidade de vida infantil. Relato de experiência dos residentes quanto a ação que aconteceu numa escola de ensino fundamental do município de Jaboatão dos Guararapes-PE em área adstrita a Unidade de Saúde da Família. Contando com a participação de oito (08) profissionais de saúde, entre eles: um enfermeiro, um cirurgião-dentista, um agente comunitário de saúde e cinco (05) residentes em saúde da família (Psicóloga, enfermeira, profissional de educação física, farmacêutica e cirurgião-dentista), além dos professores e gestora da unidade educacional. Os critérios estabelecidos para participação na atividade foram: ter autorização dos pais ou responsáveis previamente enviadas e estar presente em sala no momento da ação. Num total de 286 crianças matriculadas, foi realizado a administração de anti-helmíntico (Albendazol suspensão) em 145 alunos. Realizou-se orientação aos professores e alunos acerca da temática. Podemos constatar que o tratamento foi efetivo, porém, se não existir os mínimos cuidados com saneamento, água, alimentos assim como as condições mínimas de saúde, esse ato será apenas um paliativo, fazendo com que a contaminação se torne um ciclo vicioso. O cuidado deve ser contínuo e depende de vários fatores, por isso a importância da educação em saúde e ações que promovam o autocuidado e empoderamento dos cidadãos sobre a promoção de saúde.

MICROCEFALIA E SUAS EVIDÊNCIAS ASSOCIADAS AO ZIKA VÍRUS

Paiva L.M.B1; Oliveira A.F.S2; Alves D.M3; Costa S.S4.
As microcefalias constituem um achado clínico e pode decorrer de anomalias congênitas ou ter origem após o parto. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a caracterização da microcefalia se dá pela medida em cm, procedimento comum no acompanhamento clínico do recém-nascido (RN), visando a identificação de doenças neurológicas, a identificação se dá principalmente pela medição do perímetro cefálico (PC) em que apresente medida menor que menos dois (-2) desvios-padrões abaixo da média especifica para o sexo e idade gestacional, além disso a OMS considera que menos de três (-3) desvios-padrões é definida como microcefalia grave. Descrever os fatores de risco relacionados ao RN com microcefalia associada infecção por Zika vírus. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, realizada no mês agosto de 2016, através de consultas em artigos científicos pesquisados na base de dados SCIELO e em documentos oficiais do Ministério da Saúde. Foram utilizados artigos publicados entre 2015 e 2016, no idioma português, disponíveis na íntegra, sendo utilizadas na busca as palavras-chave “ Recém-Nascido”; “Microcefalia”; “ Zika Vírus”. Foram encontrados 05 artigos, sendo realizada uma análise detalhada e posterior discussão, destacando-se os pontos relacionados ao tema proposto. Casos prováveis de microcefalia relacionadas a infecção pelo Zika vírus, caso notificado, cuja mãe apresentou exantema durante a gravidez e que o RN apresente alterações sugestivas de infecção congênita. A suspeita precoce, notificação adequada e o registro oportuno dos casos de microcefalia, é fundamental para desencadear ao processo de investigação, considerando o surto Zika vírus, ser um evento até então, incomum, inesperado, que se trata de problema de saúde pública de importância internacional, dado seu potencial impacto em âmbito nacional. Apesar de várias evidências da relação do vírus Zika e os casos de microcefalias no Brasil, mais estudos serão necessários para esclarecimento, desse evento assim como para se identificar os possíveis fatores relacionados a este problema.

INTERVENÇÃO MULTIPROFISSIONAL EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE: COMBATENDO A HELMINTÍASE

Oishi A.P.B1; Silva A.M.L.2; Lins D.N.S.3; Silva I.F.4; Souza L.A.P.5; Lima T.L.6.
As ações foram planejadas com base nas diretrizes do Programa Saúde na Escola (PSE), buscando diminuir a incidência da helmintíase em crianças na faixa etária de 5 a 12 anos. A atuação multiprofissional foi importante no processo de planejamento, execução e educação em saúde. Favorecendo a troca de experiências e saberes com enfoque preventivo na atenção do individuo em seu contexto. Combater e controlar a helmintíase na infância, buscando atingir melhores indicadores de saúde e qualidade de vida infantil. Relato de experiência dos residentes quanto a ação que aconteceu numa escola de ensino fundamental do município de Jaboatão dos Guararapes-PE em área adstrita a Unidade de Saúde da Família. Contando com a participação de oito (08) profissionais de saúde, entre eles: um enfermeiro, um cirurgião-dentista, um agente comunitário de saúde e cinco (05) residentes em saúde da família (Psicóloga, enfermeira, profissional de educação física, farmacêutica e cirurgião-dentista), além dos professores e gestora da unidade educacional. Os critérios estabelecidos para participação na atividade foram: ter autorização dos pais ou responsáveis previamente enviadas e estar presente em sala no momento da ação. Num total de 286 crianças matriculadas, foi realizado a administração de anti-helmíntico (Albendazol suspensão) em 145 alunos. Realizou-se orientação aos professores e alunos acerca da temática. Podemos constatar que o tratamento foi efetivo, porém, se não existir os mínimos cuidados com saneamento, água, alimentos assim como as condições mínimas de saúde, esse ato será apenas um paliativo, fazendo com que a contaminação se torne um ciclo vicioso. O cuidado deve ser contínuo e depende de vários fatores, por isso a importância da educação em saúde e ações que promovam o autocuidado e empoderamento dos cidadãos sobre a promoção de saúde.

EVOLUÇÃO DO QUADRO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE CHAGAS NO BRASIL

Lima Y.C¹; Firmino M.G²; Costa E.S³; Café L.A4; Araújo L.O5; Maia C.S6
A doença de chagas (DC) foi classificada pela Organização Mundial da Saúde como uma enfermidade negligenciada, a qual se estabeleceu como uma das mais graves endemias brasileiras. No Brasil, com o incremento de políticas de combate ao inseto através dos inseticidas, o número de casos diminuiu drasticamente. Contudo, essa enfermidade mostra-se persistente através do aparecimento de surtos da doença no país. Demonstrar os avanços na erradicação e o novo perfil epidemiológico da doença de chagas. Realizou-se uma revisão de literatura na base de dados LILACS e na biblioteca virtual SciELO, utilizando os descritores: “doença de chagas” e “epidemiologia” e “prevenção e controle”. Foram utilizados como critérios de inclusão apenas os trabalhos produzidos nos anos de 2000 a 2016 e em português, já que a pesquisa tem por objetivo retratar o perfil epidemiológico brasileiro da doença de chagas. Com base nos critérios de inclusão que foram estabelecidos, dos artigos que foram localizados, somente 11 enquadraram-se nos objetivos principais desta revisão. Nos resultados estimou-se a prevalência da Doença de Chagas no Brasil, que variou de 4,2 % em 1980 a 2,4 % após os anos 2000, sendo as maiores prevalências verificadas em mulheres, residentes na região Nordeste e Sudeste. Constatou-se também que a forma mais frequente em todos os anos, foi por meio da transmissão oral (alimentos), que representa 68,8 % dos casos. Além disso, o Ministério da Saúde do Brasil contabilizou 112 surtos no território nacional entre 2005 e 2013, os quais envolveram em sua totalidade 35 municípios da Região Amazônica, nos quais a fonte provável de infecção foi a ingestão de alimentos contaminados com T. cruzi. Assim, esses estudos demonstraram um grande avanço combate da DC, mas também a importância de manter e expandir as ações de controle, assegurando também o investimento no diagnóstico e tratamento, para garantir a integralidade do atendimento. A partir exposto, é possível perceber que mesmo com os avanços alcançados, a Doença de Chagas ainda é uma enfermidade de grande infecciosidade no Brasil, o qual tem negligenciadas suas diversas formas de transmissão e não tem dado a atenção equitativa a todas as regiões do País. Sendo assim, é necessário que haja um investimento continuo no combate de todas as formas de transmissão e em todo o território brasileiro, tendo em vista que essa é uma enfermidade grave e que afeta as populações que não possuem condições financeiras para o seu tratamento.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NO CONTROLE DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

Paiva L.M.B.1; Oliveira A.F.S.2; Alves D.M.3; Costa S.S.4
A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença transmitida do vetor conhecidos como flebotomíneos para o hospedeiro, através da picada da fêmea, onde o homem é acometido de forma acidental e os animais domésticos de forma secundária ao ciclo do parasita, causando várias manifestações clínicas, dentre elas lesões de forma única ou múltiplas, progredindo para pápulo-pustosa, depois úlcero-crostosa e chegando à fase com bordas indolores e fundas com granulações grosseiras, bordas infiltradas e características de úlcera com contornos circulares. Descrever as medidas da vigilância epidemiológica no controle da Leishmaniose Tegumentar Americana. Pesquisa bibliográfica, realizada outubro de 2016, através do guia de vigilância em saúde, guia de orientações sobre vigilância de Leishmaniose Tegumentar Americana e artigos científicos pesquisados na base de dados LILACS. Para a pesquisa foi utilizado o seguinte descritor “Leishmaniose Tegumentar Americana”. Foram incluídos artigos entre os anos 2009 e 2016. Sendo selecionados 4 e utilizados 2, por se encaixarem no tema proposto. A Leishmaniose Tegumentar Americana é apresentada como endemia em 24 países, tornando-se um agravo de relevância para a saúde pública mundial. A organização das nações unidas a considera como uma das 6 infecções mais importantes do mundo, por ter altas taxas de incidência e prevalência, além de gerar graves danos à saúde do indivíduo. Ao analisar as características epidemiológicas da LTA no Brasil, observa-se uma média anual de 26.965 casos autóctones registrados entre 1993 à 2012 ou seja, 15,7 casos/ 100.000 habitantes. Os serviços de saúde deverão notificar e investigar por meio da ficha do SINAN o evento da doença. O seu registro é importante para o conhecimento, investigação, bem como para a classificação epidemiológica e acompanhamento dos casos. Cabe a vigilância epidemiológica do município a responsabilidade de encaminhar os casos suspeitos ao serviço de saúde de referência para diagnosticar, investigar os casos confirmados e digitar a ficha de notificação e investigação do SINAN, acompanhar o tratamento do doente até sua alta e dar encerramento do caso no SINAN após 180 dias do início do tratamento. Já outros órgãos como gerência de zoonoses, diretorias e gerências de vigilância epidemiológica além da SES prestarão assessorias aos municípios através de medidas de controle da LTA bem como sua adaptação frente a cada realidade. Neste contexto pode-se observar a relevância do papel do enfermeiro nos vários níveis de tratamento da LTA, sendo de extrema importância o vínculo criado por este profissional com os pacientes e familiares, visto que através de uma assistência humanizada, o enfermeiro juntamente com a equipe multidisciplinar pode propiciar ao portador da LTA o tratamento adequado com redução de possíveis sequelas e desenvolvimento de ações direcionadas para a prevenção de novos casos nas comunidades de risco.

VISCERAL LEISHMANIASIS: EPIDEMIOLOGY AND HEALTH EDUCATION

Couto, I.M.C1; Bento, M.V.B.NS2; Lemos, F.S3; Fernandes, G.A.S4; Silva, M.G.S5; Maia, C.S6.
In Brasil Visceral Leishmaniasis is caused by the protozoan Leishmania chagasi and the country presents almost the whole of South American cases.The main reservoir is domestic dogs and one form to control it is euthanasia thereof. However, this method has been show to be ineffective. To analyze epidemiological data on Visceral Leishmaniasis in the brazilian population and the possible health education actions to combat the vector and mode of transmission. Were found 125 articles, manuals attention to heath and epidemiological reports published in the years 2004 to 2016, that addressed clinical and epidemiological aspects of Visceral leishmaniasis, prevention and health education, 14 articles of which were used to write this review. Visceral Leshmaniasis is related to low socioecomomic conditions, destruction of the naturals habitats, as well as the adaptive capacity of the vector. The method of euthanasia is shown ineffective, because in this review show that more than 50 % of the infected dogs are asymptomatic and restituted in the street, contributing to maintaing and/or increasing the number of humans cases. It's necessary takes strong campaigns in health education, highlighting preventive strategies with the use os mosquito nets, repellents and resposible ownership os animals.