American Journal of Mass Communication and Journalism

Open Access Journal
American Journal of Mass Communication and Journalism (ISSN:2688-402X) is an open access journal publishing research articles, review articles, editorials and letters to the editor.

Peer-Review Journal
To keep the quality of journal, all submission will be peer-reviewed by invited experts. The decisions will be made according to the comments of reviewers.

Publication Process
Initial decision: 3 days without review, 28 days with review; Time to publication: Accepted articles will be online in 3 days; Final versions after proofreading will be accessible in 8 days.

Rapid Response
Should you have any questions, please let us know. We will answer you shortly.

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE: CONHECER PARA PREVENIR

Silva V.P1; Morais C.R.S2; Moreno F.S.A3; Santos I.I4; Melo J.D5; Costa S.L6
Sendo a tuberculose um grave problema de Saúde Pública no Brasil e no mundo, é a segunda maior causa de morte por doença infecciosa, superada apenas pelas mortes associadas ao vírus da imunodeficiência humana (HIV). Esse fato é um ponto importante para a elaboração de ações que visem reduzir os indicadores da incidência da doença. Assunto este, pertinente e perceptível nos diálogos das rodas de conversas e oficinas, promovidas pela instituição de nível superior, que instigou os estudantes da graduação a discutir o assunto com o público da terceira idade, visando uma troca de conhecimentos, visto que, esse público favorece a troca de conhecimento que enriquece o saber, por meio da abordagem dinâmica e criativa, objetivando reduzir a incidência da doença. Realizar intervenção de educação em saúde com idosos, como medida de prevenção e promoção á saúde, para o controle de novos casos de tuberculose na terceira idade. A metodologia trabalhada de forma integradora e lúdica, por meio de palestra e discussão de grupo, objetivando disseminar o conhecimento a cerca da doença. A intervenção ocorreu em 28-052016, ao lado da igreja do Mosteiro de Santa Clara, situado a Rua Heroninda Cavalcante Dantas – Dom Jaime Câmara, Mossoró – RN, participaram idosos do bairro na roda de conversa, discutiu-se o tema proposto explorando as experiências de vida dos envolvidos. O referencial teórico foi pesquisado na Biblioteca Virtual de Saúde - BVS com as palavras-chaves, de forma combinada: Tuberculose, educação e saúde, idoso. Sendo a tuberculose a segunda maior causa de morte por doença infecciosa, dentre os fatores de risco que levam a evolução para doença ativa está à idade (idosos). À medida que a sociedade envelhece, os problemas de saúde dos idosos desafiam os modelos tradicionais de cuidado. Contudo, motivados pela busca do aprendizado e acreditando que as medidas educativas são um meio pelo qual se podem adentrar no universo desconhecido por essa população, as rodas de conversa estabelecem troca de conhecimento que os fazem sentir mais seguros e autônomos. Espera-se que as informações expostas sejam multiplicadas nos ambientes familiares e outros espaços de socialização dos quais os idosos participam. Diante do que foi vivido e abordado, percebeu-se a importância de relatar sobre a tuberculose na população idosa. Observou-se nas literaturas que, ainda se tem muito a pesquisar e direcionar melhor que caminho os evolvidos devem percorrer.

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA, TRABALHADO DE FORMA LÚDICA EM UMA ESCOLA DE ENSINO BÁSICO EM CUITÉ-PB: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Fonseca P.R1; Souza D.P.R2; Lacerda E.D3; Santos J.C4; Silva V.S.F5; Assis P.A.C6
A extensão universitária trabalha com as diversas problemáticas que envolvem a comunidade, auxiliando-a de forma que aja uma troca de conhecimentos. Atualmente uma das adversidades que envolvem a sociedade é a gravidez na adolescência, considerada com um dos problemas de saúde reprodutiva, relatada como uma importante causa de morbimortalidade da mãe e do bebê, além de impactos educacional-escolar e social. Abordar temas relacionados com à reprodução humana com ludicidade, desperta o interesse e a curiosidade dos alunos, contribuindo com o aprendizado dos estudantes. O presente trabalho buscou conscientizar e orientar alunos de uma Escola Pública Municipal de Ensino Fundamental localizada no município de Cuité PB, de forma lúdica quanto à importância da existência de um planejamento sobre a saúde sexual e reprodutiva. Trata-se de um relato de experiência do projeto de extensão intitulado “Lado a lado: gravidez planejada x bem-estar da mamãe e do bebê”. A temática foi trabalhada em formas de oficinas pedagógicas baseadas no lúdico, elaboradas e confeccionadas pelos extencionistas, com duração de 90 minutos cada, realizadas em encontros semanais. As mesmas foram ministradas em uma turma do 8° Ano, abordando assuntos diferentes, porém complementares a cada encontro, compreendendo respectivamente: conhecimentos prévios sobre o aparelho reprodutor feminino e masculino, métodos contraceptivos, infecções sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência, cuidados gerais com a saúde materna e planejamento familiar. Ao final de cada encontro, realizamos avaliações dialogadas e aplicamos uma escala de satisfação do tipo Linkert. Durante a realização das oficinas, foi possível perceber a carência de informações a respeito dos conteúdos abordados, identificada por inúmeras respostas equivocadas a perguntas direcionadas aos alunos durante a exposição dos assuntos. No decorrer das etapas do projeto, percebeu-se um progresso tanto acerca dos conhecimentos adquiridos quanto na participação e desenvoltura dos alunos, antes caracterizada por completa quietação e timidez. Outro ponto importante foi a percepção do desejo de engravidar ainda na juventude por parte de muitas estudantes, dessa forma buscamos enfatizar a importância do planejamento familiar, pois mesmo desejada, a gestação deve ser planejada. Diante do exposto, as atividades desenvolvidas tiveram resultados promissores e satisfatórios como relatado por muitos alunos ao término das oficinas. Os alunos apresentaram um déficit muito grande de informações sobre a saúde sexual e reprodutiva, o que reforça a importância das ações do projeto, uma vez que atua como instrumento de disseminação e orientação para que haja um planejamento adequado da vida sexual e reprodutiva dos adolescentes, principalmente para esse público tão vulnerável.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NAS ESCOLAS PÚBLICAS DO RECIFE: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SABER TUBERCULOSE

Feitosa M. T. S1; Farias M. P. F2, Moraes L. L. S. M3, Luz J. V. M4, Silva M. N. M5, Cardoso M. D6
A tuberculose é uma doença infectocontagiosa muito antiga, os pulmões são os órgãos mais afetados, porém pode acometer outros órgãos e tecidos. As populações indígenas, presidiários e moradores de rua são mais vulneráveis devido a dificuldade de acesso aos serviços de saúde e as condições específicas de vida, além das pessoas portadoras de HIV e Aids. É de suma importância as intervenções de educação em saúde nas escolas, pois possibilitam principalmente a disseminação da informação que é passada. O grupo de extensão universitária Saber Tuberculose vem trabalhando neste sentido, e assim informando cada vez mais pessoas envolvidas no projeto. Relatar experiência das atividades extensionistas de educação em saúde sobre tuberculose nas escolas públicas visando a melhoria dos indicadores epidemiológicos e a redução do estigma da doença. Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência realizado no período de março a novembro de 2016, em escolas públicas localizadas dentro da região metropolitana da cidade do Recife-PE, abrangendo inicialmente três públicos alvos: Estudantes de enfermagem de diferentes períodos da Universidade de Pernambuco, estudantes do ensino médio e fundamental e professores das escolas públicas. Foram utilizadas estratégias para melhor comunicação e informatização do público alvo sobre a tuberculose, seus sintomas e tratamento. Foi notório durante a realização das atividades o interesse dos participantes para conhecer a doença, duração do tratamento e cura independente da faixa etária do grupo. Foi desenvolvida e aplicada nas ações uma paródia da música ‘Camaro Amarelo’ voltada a educação em tuberculose, caixa educativa com jogos de perguntas e respostas e folhetos com ilustrações e orientações sobre a doença também foram utilizados como material didático. Ao final de cada ação, o resultado esperado foi obtido. O projeto oportuniza os estudantes a conhecer uma metodologia da educação popular fora dos muros da universidade, percebendo a real necessidade da atuação com diferentes públicos correlacionando o conhecimento adquirido em sala de aula, possibilitando um crescimento profissional do grupo e contribuindo para a melhoria dos indicadores de saúde da população geral.

CAIXA DO SABER COMO ESTRATÉGIA NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE SOBRE TUBERCULOSE

Feitosa MTS1, Correia C.A2, Silva CO3, Silva J.T.B4, Farias MP5, Cardoso M.D6
A tuberculose é uma doença infecciosa causada por uma bactéria, que acomete geralmente os pulmões, mas pode ocorrer em qualquer outro órgão ou ainda se desenvolver ao mesmo tempo em vários órgãos. Ainda é considerada uma doença negligenciada mesmo apresentando tratamento totalmente gratuito e de fácil acesso a população em geral. Nesses moldes, tem-se a necessidade de montar estratégias que facilitem a educação em saúde sobre a doença, com o objetivo de propagar informação e melhorar os indicadores epidemiológicos. Desenvolver e aplicar estratégia para esclarecer a temática sobre tuberculose voltada a crianças e adolescentes de escolas públicas da cidade do Recife-PE. Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relado de experiência, ocorrido no período de março a novembro de 2016, durante atividades da extensão universitária Saber Tuberculose, que são realizadas em escolas públicas da cidade do Recife-PE. Antes de cada ação educativa sobre tuberculose ocorre um planejamento do grupo sobre o material didático que irá ser utilizado dependendo do espaço físico e do público alvo. A “caixa do saber” foi pensada para melhorar a dinâmica das ações que tinham crianças e adolescentes como alvos. A partir daí montou-se um jogo de perguntas e respostas, o qual abordava conhecimentos científicos e empíricos sobre a doença. O jogo funcionava de forma pela qual a sala era dividida entre meninos e meninas e a cada rodada um representante do grupo respondia questões do tipo: “Cite três sintomas da tuberculose”, “Quanto tempo dura o tratamento?”,” Como é feito o diagnóstico da doença?”, “Quais os grupos mais vulneráveis?”, ”Como a tuberculose é transmitida?”, ”Depois de quanto tempo de tratamento a doença não é mais transmitida?”, ”A tuberculose só atinge o pulmão?”, o direito a resposta era concedido a cada representante de forma alternada, e após a opinião dos alunos, havia uma intervenção dos acadêmicos com maiores esclarecimentos. A equipe vencedora era premiada com brindes, o que estimulava o desempenho do grupo no geral. As ações de educação em saúde, como a descrita neste trabalho, mostram-se relevantes por proporcionar ao acadêmico uma oportunidade de disseminar conhecimento e interferir diretamente nos indicadores epidemiológicos de uma doença. Foi observada uma grande satisfação e compreensão por parte dos alunos participantes do projeto na utilização da “caixa do saber”, o que auxilia e contribui para melhoria dos indicadores epidemiológicos e a redução do estigma da doença.

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE: CONHECER PARA PREVENIR

Silva V.P1; Morais C.R.S2; Moreno F.S.A3; Santos I.I4; Melo J.D5; Costa S.L6
Sendo a tuberculose um grave problema de Saúde Pública no Brasil e no mundo, é a segunda maior causa de morte por doença infecciosa, superada apenas pelas mortes associadas ao vírus da imunodeficiência humana (HIV). Esse fato é um ponto importante para a elaboração de ações que visem reduzir os indicadores da incidência da doença. Assunto este, pertinente e perceptível nos diálogos das rodas de conversas e oficinas, promovidas pela instituição de nível superior, que instigou os estudantes da graduação a discutir o assunto com o público da terceira idade, visando uma troca de conhecimentos, visto que, esse público favorece a troca de conhecimento que enriquece o saber, por meio da abordagem dinâmica e criativa, objetivando reduzir a incidência da doença. Realizar intervenção de educação em saúde com idosos, como medida de prevenção e promoção á saúde, para o controle de novos casos de tuberculose na terceira idade. A metodologia trabalhada de forma integradora e lúdica, por meio de palestra e discussão de grupo, objetivando disseminar o conhecimento a cerca da doença. A intervenção ocorreu em 28-052016, ao lado da igreja do Mosteiro de Santa Clara, situado a Rua Heroninda Cavalcante Dantas – Dom Jaime Câmara, Mossoró – RN, participaram idosos do bairro na roda de conversa, discutiu-se o tema proposto explorando as experiências de vida dos envolvidos. O referencial teórico foi pesquisado na Biblioteca Virtual de Saúde - BVS com as palavras-chaves, de forma combinada: Tuberculose, educação e saúde, idoso. Sendo a tuberculose a segunda maior causa de morte por doença infecciosa, dentre os fatores de risco que levam a evolução para doença ativa está à idade (idosos). À medida que a sociedade envelhece, os problemas de saúde dos idosos desafiam os modelos tradicionais de cuidado. Contudo, motivados pela busca do aprendizado e acreditando que as medidas educativas são um meio pelo qual se podem adentrar no universo desconhecido por essa população, as rodas de conversa estabelecem troca de conhecimento que os fazem sentir mais seguros e autônomos. Espera-se que as informações expostas sejam multiplicadas nos ambientes familiares e outros espaços de socialização dos quais os idosos participam. Diante do que foi vivido e abordado, percebeu-se a importância de relatar sobre a tuberculose na população idosa. Observou-se nas literaturas que, ainda se tem muito a pesquisar e direcionar melhor que caminho os evolvidos devem percorrer.

ATUAÇÃO DO PROJETO DE EXTENSÃO EM UMA ESCOLA DO ENSINO MÉDIO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Fonseca P.R.¹; Lacerda E.D.²; Souza D.P.R.3; Santos J.C.4; Assis P.A.C.5; Silva V.S.F.6
A extensão universitária tem um importante papel no processo de produção e difusão de conhecimentos em busca de uma sociedade inclusiva com o desenvolvimento integral do ser humano, oferecendo, por meio de suas ações, respostas para a transformação social, as quais devem estar indissociavelmente vinculadas ao ensino e à pesquisa, aproximando deste modo, a academia das comunidades adjacentes. Deste modo, o projeto intitulado “Lado a lado: Gravidez planejada X bem-estar da mamãe e do bebê”, tem por finalidade levar aos adolescentes da rede pública de ensino, conhecimentos sobre métodos contraceptivos, teratógenos e orientá-los quanto à importância e reflexão de uma gravidez planejada. Descrever a experiência dos extensionistas a partir da realização de oficinas lúdicas em uma escola do ensino médio. Trata-se de um relato de experiência dos extensionistas do Projeto de Extensão desenvolvido, inicialmente, em escola pública estadual no município de Cuité – PB, em turma do ensino médio. As atividades foram distribuídas em quatro oficinas. A primeira oficina, “Conhecimentos prévios: Engravidou? Por quê? E agora? ”, fomentou o conhecimento dos alunos acerca da temática. “Como evitar uma gravidez não planejada? ”, título da segunda, teve como objetivo expor a anatomia e fisiologia do sistema reprodutor masculino e feminino e apresentar os métodos contraceptivos. Na terceira oficina, “Gravidez planejada: Prevenção e tratamento de infecções por microrganismos”, destacou alguns métodos teratogênicos e a importância das consultas de pré-natal. Na quarta oficina, intitulada “Gravidez planejada: Cuidados na saúde da futura mamãe”, foram reforçados os cuidados que se deve ter durante a gravidez, buscando o bem-estar da mãe e do bebê, além de uma breve discussão para retiradas de dúvidas. É importante salientar que todas as oficinas foram desenvolvidas de forma dinâmica e lúdica. Com a execução do projeto foi possível identificar que os alunos tinham um grande conhecimento na área, contudo, muita das vezes tal conhecimento apresentava-se de forma distorcida. Foi possível perceber, também, que os alunos possuíam um déficit considerável em relação a alguns métodos contraceptivos e a respeito dos agentes teratogênicos. Contudo, diante da troca de conhecimento entre os alunos e os extensionistas no decorrer das atividades foi notório destacar que ao final das oficinas chegou-se a uma resposta positiva, justificando assim o desenvolvimento do projeto. Pelo exposto fica clara a importância da extensão universitária para a produção e a disseminação de conhecimentos, assim como para a formação e a capacitação de profissionais bem qualificados. Vale ressaltar ainda, a importância do projeto para a redução da incidência de gravidez indesejada em jovens. Fato esse considerável complicador social e grande problema relacionado à saúde reprodutiva.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NAS ESCOLAS PÚBLICAS DO RECIFE: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SABER TUBERCULOSE

Feitosa M. T. S1; Farias M. P. F2, Moraes L. L. S. M3, Luz J. V. M4, Silva M. N. M5, Cardoso M. D6
A tuberculose é uma doença infectocontagiosa muito antiga, os pulmões são os órgãos mais afetados, porém pode acometer outros órgãos e tecidos. As populações indígenas, presidiários e moradores de rua são mais vulneráveis devido a dificuldade de acesso aos serviços de saúde e as condições específicas de vida, além das pessoas portadoras de HIV e Aids. É de suma importância as intervenções de educação em saúde nas escolas, pois possibilitam principalmente a disseminação da informação que é passada. O grupo de extensão universitária Saber Tuberculose vem trabalhando neste sentido, e assim informando cada vez mais pessoas envolvidas no projeto. Relatar experiência das atividades extensionistas de educação em saúde sobre tuberculose nas escolas públicas visando a melhoria dos indicadores epidemiológicos e a redução do estigma da doença. Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência realizado no período de março a novembro de 2016, em escolas públicas localizadas dentro da região metropolitana da cidade do Recife-PE, abrangendo inicialmente três públicos alvos: Estudantes de enfermagem de diferentes períodos da Universidade de Pernambuco, estudantes do ensino médio e fundamental e professores das escolas públicas. Foram utilizadas estratégias para melhor comunicação e informatização do público alvo sobre a tuberculose, seus sintomas e tratamento. Foi notório durante a realização das atividades o interesse dos participantes para conhecer a doença, duração do tratamento e cura independente da faixa etária do grupo. Foi desenvolvida e aplicada nas ações uma paródia da música ‘Camaro Amarelo’ voltada a educação em tuberculose, caixa educativa com jogos de perguntas e respostas e folhetos com ilustrações e orientações sobre a doença também foram utilizados como material didático. Ao final de cada ação, o resultado esperado foi obtido. O projeto oportuniza os estudantes a conhecer uma metodologia da educação popular fora dos muros da universidade, percebendo a real necessidade da atuação com diferentes públicos correlacionando o conhecimento adquirido em sala de aula, possibilitando um crescimento profissional do grupo e contribuindo para a melhoria dos indicadores de saúde da população geral.

CAIXA DO SABER COMO ESTRATÉGIA NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE SOBRE TUBERCULOSE

Feitosa MTS1, Correia C.A2, Silva CO3, Silva J.T.B4, Farias MP5, Cardoso M.D6
A tuberculose é uma doença infecciosa causada por uma bactéria, que acomete geralmente os pulmões, mas pode ocorrer em qualquer outro órgão ou ainda se desenvolver ao mesmo tempo em vários órgãos. Ainda é considerada uma doença negligenciada mesmo apresentando tratamento totalmente gratuito e de fácil acesso a população em geral. Nesses moldes, tem-se a necessidade de montar estratégias que facilitem a educação em saúde sobre a doença, com o objetivo de propagar informação e melhorar os indicadores epidemiológicos. Desenvolver e aplicar estratégia para esclarecer a temática sobre tuberculose voltada a crianças e adolescentes de escolas públicas da cidade do Recife-PE. Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relado de experiência, ocorrido no período de março a novembro de 2016, durante atividades da extensão universitária Saber Tuberculose, que são realizadas em escolas públicas da cidade do Recife-PE. Antes de cada ação educativa sobre tuberculose ocorre um planejamento do grupo sobre o material didático que irá ser utilizado dependendo do espaço físico e do público alvo. A “caixa do saber” foi pensada para melhorar a dinâmica das ações que tinham crianças e adolescentes como alvos. A partir daí montou-se um jogo de perguntas e respostas, o qual abordava conhecimentos científicos e empíricos sobre a doença. O jogo funcionava de forma pela qual a sala era dividida entre meninos e meninas e a cada rodada um representante do grupo respondia questões do tipo: “Cite três sintomas da tuberculose”, “Quanto tempo dura o tratamento?”,” Como é feito o diagnóstico da doença?”, “Quais os grupos mais vulneráveis?”, ”Como a tuberculose é transmitida?”, ”Depois de quanto tempo de tratamento a doença não é mais transmitida?”, ”A tuberculose só atinge o pulmão?”, o direito a resposta era concedido a cada representante de forma alternada, e após a opinião dos alunos, havia uma intervenção dos acadêmicos com maiores esclarecimentos. A equipe vencedora era premiada com brindes, o que estimulava o desempenho do grupo no geral. As ações de educação em saúde, como a descrita neste trabalho, mostram-se relevantes por proporcionar ao acadêmico uma oportunidade de disseminar conhecimento e interferir diretamente nos indicadores epidemiológicos de uma doença. Foi observada uma grande satisfação e compreensão por parte dos alunos participantes do projeto na utilização da “caixa do saber”, o que auxilia e contribui para melhoria dos indicadores epidemiológicos e a redução do estigma da doença.
  1. Articles of 2019

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 01

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 02

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 03

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 04

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 05

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 06

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 07

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 08

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 09

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 10

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 11

    AJMCJ (2019), Vol. 1, Issue 12