Advances in Oncology Research

Open Access Journal
Advances in Oncology Research (ISSN:2641-3272) is an open access journal publishing research articles, review articles, editorials and letters to the editor.

Peer-Review Journal
To keep the quality of journal, all submission will be peer-reviewed by invited experts. The decisions will be made according to the comments of reviewers.

Publication Process
Initial decision: 3 days without review, 28 days with review; Time to publication: Accepted articles will be online in 3 days; Final versions after proofreading will be accessible in 8 days.

Rapid Response
Should you have any questions, please let us know. We will answer you shortly.

The Mandala of Knowledge: a New Meaning to the Life of the Person with Cancer

Araújo, W.J.S1; Lima, A.L.F2; Vieira, E.N3; Barbosa, M.S.A4; Silva, J.C.P5;Nascimento, K.C6
Throughout Brazilian history, cancer has been seen in several ways. From malignant and incurable tumor to neoplasm, from individual tragedy to public health problem. According to the World Health Organization, it is possible to report that 8.8 million people die each year from cancer, mostly in low- and middle-income countries. To awaken through the mandala of knowledge a new meaning to the life of the person with cancer. This report is descriptive and interventional through the Knowledge Mandala in the waiting room of an oncology clinic that treats people with Cancer people in Maceió / AL. The activity was divided into stages so that participants in the knowledge mandala could analyze in detail the procedures of the dynamics regarding a new meaning for their lives. The use of the knowledge mandala pointed out the need for cancer patients to express themselves and to expose their anguish in the face of the treatment of this disease, which is often considered as lethal.

NEOPLASIAS INTRACRANIANAS E OS CUIDADOS DA ENFERMAGEM

Queiroz E.P1; Santana J.C1; Barbosa L.M.S1; Maia C.S2.
Os tumores intracranianos representam cerca de 2 % de todos os canceres, com elevadas taxas de morbidade e mortalidade. As referidas neoplasias resultam de uma combinação de fatores, como: hereditariedade, exposição a substâncias químicas, hormônios, condições ambientais e ocupacionais, entre outros; e gera diversas consequências danosas ao paciente e aos seus familiares. Algumas formas de tratamento deste tipo de tumor requerem métodos que por vezes deixa o paciente e os familiares sob total responsabilidade dos cuidados paliativos de profissionais de saúde. A enfermagem, por ter seu caráter assistencialista e ser o campo profissional que tem maior contato com familiares e pacientes portadores da referida neoplasia, tem o papel de fazer abordagens e desenvolver ações diferenciadas para atender o supracitado público. Compreender o papel da Enfermagem nos cuidados dirigidos aos pacientes com tumores intracranianos. Foi realizada uma revisão integrativa nas bases de dados LILACS, SciELO, IBECS e Portal de Periódicos Capes, usando os descritores “Neoplasias Intracranianas”, “Tumores Encefálicos”, “Enfermagem”, e “Cuidados Paliativos”. Os critérios de inclusão foram: artigos completos publicados entre 2007 a 2016, nos idiomas português, inglês e espanhol, e que se enquadrassem no tema escolhido. Foram localizados 64 periódicos, dos quais sete estavam de acordo com os critérios préestabelecidos para compor o presente estudo e, portanto, foram lidos na íntegra. Pacientes acometidos por tumores intracranianos apresentam um amplo quadro sintomatológico, como déficit cognitivo, convulsões, paralisias, problemas de locomoção e danos neurológicos permanentes. Além disso, os pacientes, principalmente aqueles com limitações motoras, podem desenvolver úlceras por pressão devido à inatividade física. Tais complicações fazem com que o paciente tenha uma brusca perda da qualidade de vida, e apresente altos níveis de dependência dos cuidados paliativos da enfermagem, o que torna o referido profissional uma parte fundamental durante o tratamento. Ele surge com o papel de realizar uma rigorosa anamnese seguida do exame físico, para estabelecer o grau de dependência que o paciente apresenta, além de fornecer informações sobre a patologia e prestar os serviços necessários de acordo com o estado patológico do doente. Entretanto, estudos apontam que, em alguns casos, o enfermeiro apresenta dificuldades na prestação de cuidados específicos ao paciente, tendo em vista as limitações clínicas da profissão, a falta de preparo e a necessidade de multiprofissionais em saúde. Embora seja de relevância uma equipe multiprofissional para tratamento e cuidados de pacientes com neoplasias intracranianas, exige-se que o enfermeiro esteja sempre se atualizando e se inteirando sobre conhecimentos na sua área de atuação. Se informar e se capacitar sobre novas tecnologias de cuidado, como home care, managed care e medicina alternativa, já que se trata do profissional mais diretamente ligado as diversas formas de auxílio ao paciente.

NEOPLASIAS INTRACRANIANAS E OS CUIDADOS DA ENFERMAGEM

Queiroz E.P1; Santana J.C1; Barbosa L.M.S1; Maia C.S2.
Os tumores intracranianos representam cerca de 2 % de todos os canceres, com elevadas taxas de morbidade e mortalidade. As referidas neoplasias resultam de uma combinação de fatores, como: hereditariedade, exposição a substâncias químicas, hormônios, condições ambientais e ocupacionais, entre outros; e gera diversas consequências danosas ao paciente e aos seus familiares. Algumas formas de tratamento deste tipo de tumor requerem métodos que por vezes deixa o paciente e os familiares sob total responsabilidade dos cuidados paliativos de profissionais de saúde. A enfermagem, por ter seu caráter assistencialista e ser o campo profissional que tem maior contato com familiares e pacientes portadores da referida neoplasia, tem o papel de fazer abordagens e desenvolver ações diferenciadas para atender o supracitado público. Compreender o papel da Enfermagem nos cuidados dirigidos aos pacientes com tumores intracranianos. Foi realizada uma revisão integrativa nas bases de dados LILACS, SciELO, IBECS e Portal de Periódicos Capes, usando os descritores “Neoplasias Intracranianas”, “Tumores Encefálicos”, “Enfermagem”, e “Cuidados Paliativos”. Os critérios de inclusão foram: artigos completos publicados entre 2007 a 2016, nos idiomas português, inglês e espanhol, e que se enquadrassem no tema escolhido. Foram localizados 64 periódicos, dos quais sete estavam de acordo com os critérios préestabelecidos para compor o presente estudo e, portanto, foram lidos na íntegra. Pacientes acometidos por tumores intracranianos apresentam um amplo quadro sintomatológico, como déficit cognitivo, convulsões, paralisias, problemas de locomoção e danos neurológicos permanentes. Além disso, os pacientes, principalmente aqueles com limitações motoras, podem desenvolver úlceras por pressão devido à inatividade física. Tais complicações fazem com que o paciente tenha uma brusca perda da qualidade de vida, e apresente altos níveis de dependência dos cuidados paliativos da enfermagem, o que torna o referido profissional uma parte fundamental durante o tratamento. Ele surge com o papel de realizar uma rigorosa anamnese seguida do exame físico, para estabelecer o grau de dependência que o paciente apresenta, além de fornecer informações sobre a patologia e prestar os serviços necessários de acordo com o estado patológico do doente. Entretanto, estudos apontam que, em alguns casos, o enfermeiro apresenta dificuldades na prestação de cuidados específicos ao paciente, tendo em vista as limitações clínicas da profissão, a falta de preparo e a necessidade de multiprofissionais em saúde. Embora seja de relevância uma equipe multiprofissional para tratamento e cuidados de pacientes com neoplasias intracranianas, exige-se que o enfermeiro esteja sempre se atualizando e se inteirando sobre conhecimentos na sua área de atuação. Se informar e se capacitar sobre novas tecnologias de cuidado, como home care, managed care e medicina alternativa, já que se trata do profissional mais diretamente ligado as diversas formas de auxílio ao paciente.

To analyze the effect of melatonin on liver of rats induced by streptozotocin diabetes

Silva G.S.F1; Andrade F.L2, Melo I3, Maia C.S4; Tenorio B.M5, Tenório F.C.A.M6
Hyperglycemia is the main feature of a group of metabolic diseases called diabetes mellitus. The pathophysiology of diabetes is directly related to pancreas and liver that is responsible for absorbing nutrients. To analyze the effect of melatonin on liver of rats induced by streptozotocin diabetes. The induction of diabetes was obtained by intraperitoneal injection of streptozotocin and test to confirm diabetes was carried out during 3 and 7 days after application. The melatonin treatment was performed at a dose of 200 μg/100g of animal body weight by injection. Morphometry was performed from a graduated graticule in the same points where focused on the liver of the rats in each group located. morphometric, livers showed no significant differences. Research suggests that melatonin acts indirectly by altering the secretion of insulin. Therefore, it was concluded that melatonin may play a role in the effective treatment of diabetes, as can arrive to reduce liver damage caused by morbidity caused by streptozotocin.